Olá!

Agora que tenho Netflix, fico colocando vários filmes e séries na minha lista. A priori, costumo ver por causa de determinado/a ator ou atriz. Depois de uma overdose de Richard Gere (Noites de Tormenta, As Duas Faces de Um Crime, Uma Linda Mulher e Sempre ao Seu Lado - vejam todos, por favor!), resolvei procurar por filmes do meu ator sueco favorito, Michael Nyqvist. E dei de cara com o inquietante A Garota do Livro.

Título Original: The Girl in the Book
Ano: 2015
Elenco: Emily VanCamp, Michael Nyqvist, Ana Mulvoy Ten, David Call e elenco.
Duração: 1h26m

A Garota do Livro conta a história da assistente editorial Alice Harvey, uma mulher que possui muitos conflitos em seu interior. Seu trabalho consiste em encontrar novos talentos da literatura (que, nos EUA, nem preciso dizer que vende como pão quente). Ela batalha com seu chefe para que ele leia um determinado manuscrito. Só que o chefe (FDP) lhe passa uma tarefa: cuidar da divulgação de "O Despertar", um best-seller que, pela primeira vez, ganharia uma edição digital. Até aí tudo bem, se Milan Daneker não tivesse seduzido (abusado de) uma Alice de apenas 14 anos.

Milan Daneker é best-seller de longa data e "O Despertar" é sua masterpiece. Logo no primeiro reencontro entre os dois, Alice tenta se esconder, mas não adianta. Ele, com sua lábia, acaba trocando algumas palavras com ela. E logo vêm à mente da moça a lembrança de como se conheceram. Em uma festa, através do pai de Alice, que era amigo de Milan e editor literário.

Conforme ela vai cuidando da divulgação do e-book, as lembranças de sua relação com Milan surgem de maneira rápida. Como o telefone dele foi parar em sua agenda, os encontros às quintas-feiras, onde discutiam os escritos da adolescente e o que ela fazia ou deixava de fazer na escola, os primeiros assédios... Ah, faltou dizer que Alice sonha em ser escritora, mas, mesmo sendo filha de editor e assistente editorial, nunca conseguiu escrever alguma coisa.
Como eu disse lá no início, eu resolvi assistir a esse filme mais pelo ator do que pela história. Tenho o hábito de procurar comentários dos filmes que vejo no Filmow (que é mais legal que o Adorocinema), e apesar de alguns spoilers terem escapado, percebi que a maioria achou o filme raso quanto à abordagem do abuso sexual. Mas eu tive que discordar de muita gente. Pelo que percebi o foco não era no abuso em si e sim nas consequências que isso trouxe na vida adulta de Alice.

Ela não conseguia escrever, nem se estabilizar num relacionamento. Temia o pai, um cretino cujas ordens ela não ousava rebater (nem quando o assunto era comida), não confiava na mãe (essa eu odiei com toda a força do meu ser) e, mesmo tendo um emprego legal, não era ouvida pelo chefe, se sentia um lixo. Não ia bem nem nas aulas de escrita criativa. E quando conheceu Emmett, colocou tudo a perder. Tudo por culpa de um maldito abusador - na sinopse da Netflix está escrito que o cara "seduziu" a jovem, mentira, foi abuso mesmo.

Pelo que pesquisei, é um filme independente, então não esperem ação, é um exemplo de filme de arte. Sobre as atuações: Emily VanCamp (de Revenge), a Alice adulta, foi espetacular em seu papel, deu um show. Convincente até o último fio de cabelo, Emily representou uma Alice tão forte quanto um castelo de areia, mas que foi amadurecendo e aprendendo a lidar com o que aconteceu, mesmo com essa mancha em seu passado tendo voltado à tona com tudo.
Melhor amizade.
Já Michael Nyqvist (o único editor possível para a Millennium) me surpreendeu. Tirando seu papel nos filmes da trilogia, só vi duas produções com ele: De Volta ao Jogo, em que ele é um vilão russo que sai matando todo mundo, além de uma participação de 10 minutos no filme "Invasão de Privacidade", em que ele precisa livrar a casa do Pierce Brosnan de um hacker. Aleatório: assisti De Volta ao Jogo muito antes de Os Homens que Não Amavam as Mulheres e não me liguei que o russo e o jornalista eram a mesma pessoa. O que uma barba não faz... Voltando ao filme, que atuação! Como o best-seller Milan Daneker ele convenceu demais, a ponto de eu ficar aflita toda vez que ele ficava a sós com a menina.

Uma salva de palmas vai para Ana Mulvoy Ten. Guardem este nome. A jovem atriz foi incrível como a Alice adolescente. Apesar de ela parecer meio sonsa de início, você vai torcer por ela quando Milan começar a visitá-la. Como Alice é quieta e Ana tem cara de tímida, deu certo, acabou lembrando a Lolita, de Nabokov. Pelo que pesquisei, ela não tem tantos papéis na carreira, mas ainda é jovem e talentosa, logo menos ouviremos o nome dela em grandes produções.
Como eu disse, esse filme me deixou aflita. Ele nos faz refletir, é inquietante, nos lembra de Lolita, fala de abuso (e pedofilia, tendo em vista que ela era menina) e como isso dilacera a mente e a alma da pessoa, principalmente se falta apoio daqueles que cercam a vítima. Mostra também um pouco de como funciona uma editora (é bem raso, mas válido) e o mais importante: como funciona a mente de um pedófilo, sempre moldando os fatos a seu gosto.

Então, por favor, deem uma chance a esse filme e assistam - e depois venham conversar comigo, eu preciso falar com alguém sobre essa história.

P.S.: o abuso que Alice sofreu começa quando ela toma uma certa decisão - absurda. E, acreditem: nem assim, nem em nenhuma outra situação, a culpa é da vítima. Jamais. Podem ter certeza.
– Você é a garota do livro?
– Não sou mais.

33 Comentários

  1. Caramba, que filme interessante, vou procurar no netflix pra assistir também! Amei, e é ótimo tramas que nos fazem refletir mais sobre a vida!

    www.memoriasdeumaleitora.com.br

    ResponderExcluir
  2. Geeente, já quero esse filme pra ontem. Eu não gosto muito nem de séries e nem de filmes, mas esse filme me deixou muito curiosa e aflita só por sua resenha. Lembrei do livro "A Cor Púrpura" que estou lendo, retrata também abusos que uma menina sofre, não vou dizer de quem parte os abusos porque já seria spoilers rs (mas leia se você ainda não leu)
    Gostei muito da sua resenha, achei ótima. E gostei de conhecer o filme. Vou assistir com certeza.
    Beijos.
    http://www.livrofilia.com/

    ResponderExcluir
  3. Ta, não tenho nem palavras pra descrever o que estou sentindo agora. Sua crítica em relação a esse filme foi incrível, o enredo, os personagens, tudo... Eu estou com tanta dó da Alice e nem conheço ela ainda </3
    Cara, que situação desagradável. Trágica, lamentável, pavoroso. Você ter que "ajudar" o cara que te ferrou.
    Filme adicionado a minha lista, em breve serei eu fazendo uma crítica quanto a ele

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?
    Nossa que interessante, nunca tinha visto esse filme, já quero!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Nossa, eu não conhecia esse filme, e fiquei curiosa com a história. Mesmo sendo um filme que foge dos que eu estou acostumada a assistir, a trama me chamou bastante a atenção. Quero assistir.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  6. Oii!!

    Me lembro de você ter falado dessa obra mas não consegui assistir ainda. EU não vejo muitos filmes nesse estilo, tô mais acostumada com séries ou comédias, masas vezes é bom sair da zona de conforto!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Olá, Kamilla. Tudo bem??

    Menina, assisti esse filme na volta das minhas férias, depois de Genius - assista e babe nas atuações nada menos que magistrais de Jude Law e Colin Firth - se der, pegue Violet e um Redbull, pq Violet é lento.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oii
    Bom, ultimamente estou sem tempo para assistir filmes porém sua resenha me deixou bastante curiosa e eu ainda não conhecia esse filme.
    Assim que tiver um tempinho vou assistí-lo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Se tem uma atriz que me convence e me deixa de queixo áudio, está é Emily VanCamp. Amo muito sua atuação. Não conhecia o filme e, apesar de não ser chegada em obras cinematográfica, me parece um ótimo resultado. Muito provavelmente assistirei

    ResponderExcluir
  10. Eu já tinha ouvido falar desse filme, mas tinha esquecido o nome dele. Agora finalmente recordei dele. A história realmente parece interessante, vou procurar por ela! Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, como eu nunca tinha ouvido falar desse filme antes?
    Ainda mais abordando abuso sexual, que é um assunto tão forte, e mostrar o impacto que isso teve na vida dela. Imagino realmente um filme muito tocante. Ainda bem que tem na netflix, já vou adicionar na lista.

    ResponderExcluir
  12. Olá, não tenho Netflix, então a fica foi válida. Será uma opção pra quando eu quiser algo do gênero. Fico imaginando a força que essa jovem teve que descobrir em si mesma. E você foi muito bem em reforçar que nunca é culpa da vítima. Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Oiê, como vai?

    Mas menina, eu não conhecia esse filme. Tô na corda bamba entre querer ver e ter um pouco de receio de ver. hahahhaa Achei sua indicação muito bacana, e inclusive, já vou caçá-lo na Netflix. Pode ter certeza que irei reservar um tempinho para poder vê-lo.

    Beijos,
    Dai | Virando a Página

    ResponderExcluir
  14. Olá, ainda não conhecia esse filme. O título já chamou minha atenção, pois amo livros e tudo o que é relacionado ao meio editorial. Acredito que precisamos conscientizar mais pessoas sobre o abuso sexual, para que nunca culpem a vítima, e esse filme parece interessante nesse sentido.

    ResponderExcluir
  15. Nunca tinha ouvido falar desse filme, e apesar de adorar o trabalho dos protagonistas e eu não duvidar que as atuações estão ótimas, não sei se veria... Pedofilia é um assunto que realmente me enlouquece, não sei como as pessoas fazem uma coisa dessas, e pior ainda é quando as pessoas próximas fecham os olhos ou até colocam absurdamente a culpa na vítima... Sei lá, pra você ter odiado tanto a mãe acho que ela pode ter feito algo desse tipo.

    ResponderExcluir
  16. Oi Kamila, tudo bem?

    Acredita que já tombei com esse filme na Netflix várias vezes, mas não tinha me sentido atraída?
    Fiquei abismada com tudo que li na sua resenha e irei assistir o quanto antes, pois o tema abordado é de meu interesse, gosto de ver como as pessoas o abordam. Imagino que o filme tenha toda uma tensão que mova o telespectador, fazendo-nos sentir as dores e angústias da personagem. Sua resenha ficou muito boa,Parabéns! Quanto a pedofilia, espero que um dia leis severas sejam criadas e principalmente, aplicadas!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Olá linda,

    Assistiria só pelo título, mas como você veria por causa da Emily que sempre arrasa nas atuações que é convidada a trabalhar. O enredo parece ser bem artístico e reflexivo e isso já é suficiente para alertar minha curiosidade de que algo bom estar por perto.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Oi Kamila!
    Achei bem instigante sua descrição do filme e bem interessante. Nunca vi nenhum filme que trata em seu cerne do abuso sexual e acho bacana anotar para ver, já que é diferente tentar entender a mente de uma pessoa que sofreu abuso. Acho filmes que tratam de questões psicológicas bem bacanas!
    Bj

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bom?
    Nunca tinha ouvido falar desse filme mas curti saber que se trata de uma história onde houve um abuso sexual e as consequências do mesmo na vida da vítima. Fiquei ainda mais curiosa quando você comparou a obra a Lolita, um livro tão polêmico e com a mesma temática.Quero muito ver como as questões psicológicas foram desenvolvidas e como foi abordada a mente desse pedófilo. Sugestão anotada!

    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir
  20. Olá! Depois de todas as dicas de filmes anotadas, vamos ao filme principal. Eu sou pouca por filme e de cara me identifiquei com as fotos que você escolheu, com a trama dramática e com a história em si. Adoro filmes que retratam temas polêmicos como abuso sexual de menores e entendi todos os detalhes que mencionou sobre a culpa não ser da vítima. E concordo.
    Beijos.
    Karla Samira
    www.pacoteliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Oiee Kamila ^^
    Não sabia que existia esse Filmow *-* eu sempre entro no Adoro Cinema para ver os filmes que meus atores/atrizes favoritos fizeram...haha' Ainda não conhecia esse filme, mas gostei da premissa. Gosto de filmes com temas mais pesados, por mais que me deixem deprimida e odiando a humanidade....haha'
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  22. Olá Kamila,
    Ainda não conhecia esse filme, mas achei ele bem interessante. Imagino como deve ter sido para a personagem precisar conviver com uma pessoa que abusou dela. Achei muito interessante o que você colocou ao final de sua postagem, pois sinto isso também, nunca é culpa da vítima, mas as pessoas parecem insistir que é :(
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Oi, já tinha ouvido falar desse filme por causa da Emily, amo essa atriz desde Revenge, melhor personagem. Você me deixou com mais vontade de ver ao filme, visto que já li O homem que não amava as mulheres, acho que o título é esse. Gostei de sua resenha.

    http://porredelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  24. Oiii Kamilaa, tudo bem?
    Menina eu ainda não assisti esse filme, mas em tudo que pessoa que converso me indicaram para que eu assistisse o quanto antes, como não tenho netflix, vou esperar para realizar o download mesmo.
    Beijinhos da Morgs!

    ResponderExcluir
  25. Já me interessei pelo filme só de ver a Emily VanCamp de Revenge na capa, haha, sua resenha ficou ótima, vou pesquisar sobre o filme lá na Netflix *-*
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Oi. Já gostei desse livro só pela menina ser assistente editorial. Faço produção editorial na faculdade e gosto muito de ver filmes que tenham essa profissão. Vou procurar o filme para assistir essa semana ainda. Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  27. Kamilla, estou com o tempo tão curtinho! Você nem imagina... Quase não assisto mais nada. Eu estou priorizando as leituras, pois tenho muita coisa esse ano. Mas, quando der vou assistir.

    ResponderExcluir
  28. Oiee Kamila, tudo bom? Já estava curiosa para conferir esse filme, e você só aumentou minha curiosidade com ele. Já vou colocar na listinha da Netflix e espero ver em breve e gostar bastante <3 Livros que tratam de pedofilia sempre me tocam bastante, mas irei dar uma chance.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Olá, como vai?
    Ainda não tinha ouvido falar do filme, nem sabia que ele tinha no Netflix. Mas o enredo em muito, chamou minha atenção. Ver a evolução da personagem nesta trama tão bem construída, me animou para assisti-lo, vou já buscar por aqui. Obrigado pela dica.

    ResponderExcluir
  30. Olá,
    Desconhecia o filme e achei a premissa bem interessante.
    Se o foco era no que o abuso pode causar na vida de uma pessoa, acredito que o filme tenha atendido muito bem às expectativas de acordo com o que li na sua resenha.
    O filme trata de um tema que vem sendo bastante discutido ultimamente e anotei a dica para assistir no final de semana.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  31. Olá, tudo bem? Não conhecia o filme, mas achei a forma que você abordou na resenha instigante. Já conhecia a atriz por Revenge e só por isso iria assistir, mas juntando tudo fiquei bastante interessada.
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  32. Olá.
    Eu resolvi mês passado ver esse filme, mais por conta de ser a atriz de Revenge, mas achei o filme tão sem graça e parado que nem terminei de assistir e desisti. Mas lendo sua resenha critica fiquei curiosa e vou dar uma segunda chance ao filme e depois volta para conversarmos então hahahahaha
    ótimo post

    ResponderExcluir
  33. Olá,
    Não conhecia o filme e acho que é um filme que trabalha com um tema muito forte. Não sei se eu assistia, justamente por não gostar de ver filmes assim, porém fiquei curiosa para saber como a personagem lidou com o reencontro.
    Beijos,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir

Olá!!

Fortaleça este humilde blog, deixe seu comentário e seu link para eu retribuir sua visita!

Se quiser, entre em contato através do email resenhaeoutrascoisas@gmail.com :)